Festa Junina

Quadrilha

Festa Junina

O calendário das festas populares tem no mês de junho um ciclo de muita expressividade. Músicas apropriadas, danças, comidas e rezas, enchem de cores o Ciclo das Festas Juninas. Depois do Carnaval, o evento mais esperado do calendário brasileiro são as festas juninas, que animam todo o mês de junho com muita música caipira, quadrilhas, comidas e bebidas típicas em homenagem a três santos católicos: Santo Antônio, São João e São Pedro. Naturalmente as festas juninas fazem parte das manifestações populares mais praticadas no Brasil.

As Festas Juninas são um dos mais fortes traços do folclore brasileiro. Com toda modernidade, com tanta “globalização”, as Festas Juninas, (de junho), uma tradição que começou na Europa, no século 6º, ainda resistem e fazem a alegria de muitos brasileiros de norte a sul deste país continente. No século 6º, o Vaticano transformou o 24 de junho numa comemoração cristã, festejando o nascimento de João, que batizou Cristo. No século 13, Portugal acrescentou mais duas datas festivas: o nascimento de Santo Antonio de Pádua e o dia da morte de São Pedro. No Brasil, as festas juninas foram trazidas pelos portugueses.

A tradição se mantém até hoje, em grandes cidades, em cidades do interior, nas fazendas e, sobretudo nas escolas.

Desde que os portugueses chegaram ao Brasil, comemoramos as Festas Juninas. Música, dança, fogueira, fogos de artifício e muita comida, animam nossas cidades. Os brasileiros começaram a comemorar as Festas Juninas graças aos jesuítas portugueses que trouxeram essa mania para cá, e logo os índios e os escravos aderiram a elas e as levaram para as ruas. Em 1808, com a chegada da família real portuguesa, a coisa sofisticou-se e tomou maior vulto. Na época, os casais bailavam trocando o par. A ralé, que observava as evoluções às escondidas, gostou do que viu e levou a contradança para as festas populares, onde ela passou a fazer sucesso em casamentos, batizados e, principalmente, em festas juninas.

Por outro lado, a herança portuguesa da nossa cultura atribui as festividades a três santos da Igreja Católica. O dia 13 homenageia Santo Antônio, dia 24, São João e 29, São Pedro. Dizem até que por São João ser o mais celebrado dos santos, as festas eram chamadas joaninas, o que teria dado origem ao nome festas juninas. O nome joanina teve origem, segundo alguns historiadores, nos países europeus católicos no século IV. Quando chegou ao Brasil foi modificado para junina. Trazida pelos portugueses, logo foi incorporada aos costumes dos povos indígenas e negros.

Existem várias explicações para origem das festividades. Uma defende a teoria de que tribos pagãs comemoravam o solstício de verão no Hemisfério Norte, ocorrido em 22 ou 23 de junho, dançando ao redor de uma fogueira. Além disso, havia os preparativos para a colheita e as celebrações da fertilidade da terra.

Independente de onde vieram e como surgiram as celebrações do mês de junho, este é o período em que as típicas festas do interior do país saem do campo e vêm para as cidades, e o país se converte em um grande arraial. Festa de São João que se preze tem caipira, quadrilha, baião, forró, casamento na roça, fogueira, balões, bandeirinhas e uma culinária característica repleta de pinhão, pamonha, canjica, bolo de fubá, pipoca e quentão.

No passado, o céu se enchia de balões e, à noite, era difícil contar as luzinhas lá em cima. Hoje, os balões são proibidos por causa dos incêndios, mas a tradição das fogueiras ainda ilumina as noites juninas e embeleza os festejos dedicados à Santo Antônio, São João e São Pedro que seguem até o fim deste mês.

O elemento chave das festas é a descontração e a alegria e cada região do Brasil apresenta suas particularidades.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, os participantes não aderem aos trajes caipiras e comemoram com o vestuário típico da região, como a bombacha, sob o ritmo do vanerão.

Já no nordeste, os ritmos que imperam são o forró, o baião e o xaxado.O Nordeste é a região do país onde há a maior concentração de cidades que se dedicam intensivamente aos festejos de São João. As mais conhecidas são Caruaru, em Pernambuco, Campina Grande, na Paraíba e Piritiba, na Bahia. O público destas festas dobrou nos últimos anos e elas passaram a receber em torno de 1,5 milhão de visitantes cada. O alvoroço começa no meio de maio e se estende durante todo o mês de junho.

Há muitos anos duas cidades do Nordeste brigam para promover a maior festa junina do Brasil: Caruaru, em Pernambuco, e Campina Grande, na Paraíba. Mas não estão sós. Na cidade satélite de Taguatinga,  próxima à Brasília, o Arraiá do Povo constitui-se na mais animada festa do Centro-Oeste. No Rio Grande do Sul, onde os “caipiras” vestem bombachas remendadas, a tradição está presente no Vale do Rio Pardo, onde os festeiros andam sobre as brasa da fogueira.

As festas juninas de Caruaru ficam concentradas no Pátio dos Eventos, e as de Campina Grande, no Parque do Povo. Embora, em grandiosidade, os festejos de Caruaru sejam menos imponentes do que os de Campina Grande, eles são mais intimistas e atraentes. Os organizadores fazem questão, por exemplo, de manter o mamolengo, um teatro de improviso, bandas de pífaros e emboladores.

Ao contrário do que acontece nas festas juninas do Sul e Sudeste, a turma que dança a quadrilha em Caruaru e Campina Grande veste-se de forma luxuosa e com muito bom gosto. Para que se tenha uma idéia do que isso significa, o comércio local de tecidos vende bem mais do que em época de Natal.

Caruaru é conhecida como a capital do forró. Segundo a prefeitura local, no mês de junho, é feito um grande investimento na cidade, que chega a R$ 2 milhões. O comércio, durante o período das festas juninas, cresce em média 60%, e os hotéis, bares e restaurantes aumentam seu faturamento em 80%. Sem falar na arrecadação de impostos, que cresce 40%. No ano passado, Caruaru recebeu mais de 1 milhão de
turistas.

Suas festas são as mais tradicionais. Tanto que Caruaru, em Pernambuco, criou uma cidade cenográfica (de mentirinha), chamada Vila do Forró, que é a réplica de uma cidade típica do sertão com casas coloridas, habitadas pela rainha do milho, pela rezadeira, pela rendeira, pela parteira personagens típicos dos lugares que comemoravam as primeiras Festas Juninas no Brasil. Ali há também correio, posto bancário, delegacia, igreja, restaurantes, teatro de mamulengo. Atores encenam nas ruas o cotidiano dos habitantes da região. O maior cuscuz do mundo, segundo o Livro Guinness de Recordes, é feito lá, numa cuscuzeira que mede 3,3 metros de altura e 1,5 metro de diâmetro e comporta 700 quilos de massa. A principal atração é o desfile de carros alegóricos, como os de carnaval, na véspera do dia
de São João.

Já Campina Grande construiu o Forródromo, onde milhões de pessoas comparecem todo ano para dançar os ritmos juninos, ver apresentações típicas, desfiles, além de apreciar as comidas caipiras e se divertir com muitas brincadeiras.Campina Grande é a maior cidade do interior do Nordeste, com 500 mil habitantes. No mês de junho, a cidade recebe, no Parque do Povo, todas as noites, cerca de 100 mil pessoas, que dançam até o dia amanhecer. Os cerca de 2 mil leitos da rede hoteleira da cidade ficam ocupados.

Fonte: Luna e Amigos

About these ads
Esse post foi publicado em Curiosidades e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s